Publicidades

25 setembro, 2016

Why Every Man Should Read Jane Austen - Todo Homem Deveria Ler Jane Austen

Gente Novamente venho para Mostrar que Jane Austen Não é leitura só de Mulher. Encontrei um Texto num blog chamado "A Arte da Virilidade", E eu achei-o porque tenho um alerta no g-mail para receber qualquer post relacionado a Jane Austen. E nesse Post ele explica como parou de se preocupar e aprendeu a amar Jane Austen, e ele detalha partes nas obras de Austen que fariam de você um Homem melhor! O Interesse do autor do blog é criar homens másculos e carismáticos, que sejam Gentlemans. E debate os mais variados temas da antiguidade e atualidade.

Veja aqui no blog outros posts batendo nessa mesma tecla: 

Ps: Eu pensei em encurtar o texto, adaptar algumas partes, mas a leitura é um pouco complexa e poderia ficar sem sentido se eu tirasse algumas partes.
Eis abaixo o texto completo.

POR QUE TODO HOMEM DEVERIA LER JANE AUSTEN 


COMO PAREI DE ME PREOCUPAR E APRENDI A AMAR

Jane Austen


De volta aos meus dias de faculdade de Direito, eu estava descansando dos estudos, num sábado, para simplesmente assistir TV. Quando estava mudando os canais, me deparei com Hugh Laurie, do Dr. House, todo caracterizado em num traje de cavalheiro inglês do século 19. Por ser um fã da série House, fiquei curioso em ver como Hugh Laurie soava com o seu sotaque britânico nativo, então parei a busca por canais, para saber.
Então verifiquei no campo de informações da tv a cabo que filme era e verifiquei que estava assistindo Razão e Sensibilidade.
Ui. Jane Austen. Não vou gostar disso de jeito nenhum.
Eu associei Jane Austen a um grupo de garotas da escola secundária que eu conhecia, que assistiam a minissérie de 6 horas da BBC – Orgulho e Preconceito numa maratona de sessões, durante festas do pijama. E eu nunca li os livros em que esses filmes e minisséries de tv eram baseados, os quais me pareciam coisas de mulher.
Não, eu não iria assisti um filme que certamente foi feito para aquelas que leem Baby-Sitters Club e comédias românticas. Meu plano era mudar de canal tão logo ouvisse o Dr House falar inglês britânico.
Duas horas mais tarde, os créditos finais de Razão e Sensibilidade rolava na tela.
Eu assisti o filme inteiro. Nem mesmo parei para ir ao banheiro.
Não só assisti ao filme todo, como me lembro de pensar, “Cara, isso é realmente muito bom.”
Graças ao Dr House, a minha resistência a Austen foi quebrada, e me achei verdadeiramente curioso sobre os seus livros.  Então peguei a versão gratuita de suas obras coletadas e lentamente comecei a trilhar meu caminho através das indiscutivelmente suas três melhores: Razão e Sensibilidade, Orgulho e Preconceito e Emma.
E eu estaria danado se não tivesse gostado de verdade de todas elas.
Se você for um homem que depreciava Jane Austen pelas mesmas razões que eu fazia, espero que esta publicação leve-o, ao menos, cogitar a dar uma lida em seus clássicos. Eles não são somente para garotas. Aqui está a razão:
Por que todo homem deveria ler Jane Austen

Você achará Austen mais franca e engraçada do que imagina


Com tramas surpreendentemente convincentes e diálogos hábeis, os romances de Austen são simplesmente agradáveis e divertidos de se ler. O que deve ser mais surpreendente para aqueles que associam Austen com roupas com babados e modos aparentemente aborrecidos do período da Regência, é que Austen tem uma sagacidade verdadeiramente afiada. Ela cutuca frequentemente a atitude e os costumes culturais da época, descrevendo as coisas com ironia, e eu muitas vezes me encontro rindo alto enquanto leio seus romances.
Mas além do prazer muito real que se sente com a leitura de seus romances, há algumas outras razões para pensar em adicionar Austen à sua biblioteca pessoal.

AUSTEN O AJUDARÁ A DESENVOLVER A SUA TEORIA DA MENTE


Há alguns anos atrás, escrevi um artigo sobre por que os homens deveriam ler mais ficção e uma das razões que dei é que ela ajuda a desenvolver o que os psicólogos cognitivos chamam nossa “teoria da mente.” A teoria da mente nos permite ter acesso a estados mentais (pensamentos, sentimentos, crenças) dos outros baseado numa atribuição, e usar esse acesso para prever e explicar o que as pessoas estão pensando. A teoria da mente nos permite traçar estratégias e ser mais esperto do que os outros num contexto de negócios (e por sua vez evitar ser enganado), assim como navegar pelas complexidades implícitas dos relacionamentos românticos (“Penso que ela acha que gosto dela, mas não gosto. Como decepcioná-la de maneira suave?”)
Infelizmente, quando se trata da teoria da mente, os homens tem sofrido os piores efeitos. As garotas tendem a desenvolver as suas mais rapidamente do que os meninos, e as mulheres geralmente fazem melhor as tarefas da teoria da mente do que os homens.
Felizmente, é uma habilidade que pode ser desenvolvida, e ler uma ficção é uma maneira de fazê-lo. Estudos mostram que quando lemos uma ficção, as partes do nosso cérebro responsáveis pela teoria da mente se iluminam e são profundamente envolvidas. As narrativas requerem que imaginemos sobre as razões escondidas dos personagens, que percebamos o que seus inimigos ou amantes podem ou não estar pensando (quando o autos não nos diz explicitamente), assim como manter uma pista de todas as interações sociais entre eles.
Quando se trata de construir o músculo da nossa teoria da mente, os romances de Jane Austen são parecidos com as barras com pesos. Todos eles tratam de relacionamentos e do que todos pensam sobre esses relacionamentos. Os romances de Austen são recheados com dúzias de personagens que constantemente imaginam os pensamentos e intenções dos outros personagens; cada um interage com os outros de maneiras complexas que influenciam os relacionamentos de aproximadamente todos do livro.
Por exemplo, em Orgulho e Preconceito, há quase 50 personagens diferentes, e todos eles se conectam uns com os outros de alguma forma sutil. Manter-se na esteira dessa rede de relacionamentos e percebendo o que esses gestos sutis do século 19 realmente significam, se torna um exercício de teoria da mente. Quando quer que eu termine um romance de Jane Austen, eu também me sinto um pouco mais ágil socialmente.
Se você quiser tornar-se um melhor estrategista, líder, marido, pai ou amante, ler Austen certamente ajudará.

ESTAR FAMILIARIZADO COM AUSTEN É PARTE ESSENCIAL DO SER CULTURALMENTE LETRADO


Conforme falamos antes no site, há uma Grande Conversação sobre as grandes ideias sobre a vida, acontecendo na cultura ocidental que começou na antiga Grécia e continua hoje. Austen é uma das participantes dessa discussão Quando se fala em selecionar os 26 escritores que tem sido mais importantes e influenciadores na modelagem da cultura ocidental, o eminente crítico literário Harold Bloom tomou Austen como parte do “Cânone Ocidental – Os Livros e a Escola do Tempo.” Por que? O seu uso da ironia, o diálogo realista e natural, assim como o diálogo interior, ajudaram a modelar o curso da literatura. Ela também atacou as grandes ideias de amor, virtude, e auto-conhecimento, e suas obras são mencionadas em numerosos trabalhos de psicologia, sociologia e filosofia. Como exemplo, em After Virtue, o filósofo escocês Alasdair MacIntyre usa as obras de Austen junto com aquelas de Benjamin Franklin e Aristóteles, como exemplo de três diferentes sistemas de valores.
Referências a Austen também aparecem regularmente na mídia, desde artigos de jornalismo à cultura popular. Não só há muitas adaptações diretas de seus romances, mas suas tramas têm sido mais informalmente incorporadas em muitos filmes e programas de televisão. Por exemplo, o sucesso Clueless (As Patricinhas de Beverly Hills) foi uma tomada moderna de Emma de Austen.
Se você quiser ser um participante mais astuto na Grande Conversação, capte referências da cultura popular que devem de alguma forma revisar a sua mente, e ser, em geral, mais astuto culturalmente, então você precisa continuar com sua Austen.


AS HISTÓRIAS DE AUSTEN ENSINAM LIÇÕES DE VIDA IMPORTANTES



19 setembro, 2016

Premio Dardos

Com 5 meses de  atraso, eis que aqui estou para falar de uma indicação que nos foi concedida carinhosamente pelo nosso blog parceiro As Garotas de Pemberley.
Prêmio Dardos é uma espécie de selo virtual criado em 2008 pelo escritor Alberto Zambade, autor do blog Leyendas de “El Pequeño Dardo” El Sentido de las Palabras. Ele selecionou e indicou o selo a quinze blogs que ele considerou merecedores do prêmio, os quais também indicaram outros 15 e assim sucessivamente, criando uma imensa corrente na internet.

O blog Amantes de Jane Austen existe já a um bom tempo, e vez por outra ele passa por uma hibernação, outras vezes surge uma euforia e chovem posts. Estamos sempre a procura de Pessoas para colaborar.

Seja um colaborador: Aqui Aceitamos colaboradores fixos e esporádicos!
Saiba mais sobre a História do Blog

E agora como que funciona o Premio Dardos:




  • Quem recebe a indicação deve também indicar 15 blogs, exibir a imagem do selo, mencionar o blog de que recebeu a indicação e colocar o link , além de avisar aos blogs escolhidos.
  • Seguem Meus Indicados:

    1. As Garotas de Pemberley - Que me indicou *__*
    2. Quando Vovó Era Moça
    3. Primeiras Impressões
    4. Moira Bianchi
    5. Café com Livro
    6. Minha Vida Literária
    7. Elaine Gaspareto
    8. Casinha de Livro
    9. Brainstorm
    10. A Fragata Surprise
    Porém eu não leio tantos blogs com frequência, para indicá-los. Eventualmente adicionarei outros.



    Digite seu Email e Fique por Dentro de Tudo que Acontece Aqui, Posts, Promoções e Sorteios:


    19 julho, 2016

    Os negócios de Jane Austen com John Murray


    Jane Austen e os Negócios


    Cheque de John Murray para Jane Austen, 21 de outubro de 1816
     Embora seus livros viriam a se tornar best-sellers, tiveram sucesso e lucros modestos durante a vida de Austen. Este pequeno cheque foi um dos poucos que recebeu. É por sua parte dos lucros da primeira edição de " Emma " e a segunda edição de " Mansfield Park ' .
    Fonte 1

    Embora na época de Jane Austen fosse (visto por alguns) inadequado uma mulher ganhar a vida através da escrita, ela conseguiu escrever seis romances e gerenciar cada vez mais os seus próprios negócios. Seu trabalho é extremamente popular hoje e foi produzido como peças de teatro, filmes e adaptações de TV. Dado o quão popular seus outros trabalhos estão agora , talvez seja surpreendente que eles não fossem grandes bestsellers nos seus dias e Austen nunca fez fortuna de sua escrita. Apesar de seus romances se concentrarem nas questões que envolvem o matrimônio, a própria Austen nunca se casou. Ela era muito achegada a  sua família, especialmente sua irmã Cassandra que herdou os direitos autorais literários. John Murray II publicou quatro romances de Austen : "Emma" " Mansfield Park ' 'Persuasão' 'Abadia de Northanger'. Os dois últimos foram publicados após a morte de Austen em 1817. ' Emma ' foi avaliada pelo Sir Walter Scott no " Quarterly Review ' .

    "Ele é um patife, é claro, mas é civilizado."- A opinião de Jane Austen de John Murray II em uma carta de Jane Austen para Cassandra Austen, 16/17 out 1816.
    Fonte 2


    Digite seu Email e Fique por Dentro de Tudo que Acontece Aqui, Posts, Promoções e Sorteios:


    10 abril, 2016

    Resenha: Primeiras Impressões - LRDO

    Livro: Primeiras Impressões
    Autora: LRDO
    Editora: Kiron
    Ano de publicação: 2014



    “‘É um conhecimento universal que o homem, por mais apaixonado que esteja, não fica com uma mulher se sua família o desagrada’, reflete Liz”

    Liz Benevides costumava ter uma vida tranqüila com sua bela irmã Jane e sua melhor amiga Charlotte em um pequeno apartamento de Boston. Lá ela estudava Literatura e trabalhava em uma promissora loja de ficção científica. Tudo mudou quando teve que voltar à Búzios, sua cidade, após terminar a faculdade e esperar o início de suas aulas de mestrado. Pensando que seriam férias calmas em família, é rapidamente surpreendida com grandes e não tão empolgantes notícias: Dois americanos ricos estão na cidade, em uma ilha particular. E sua mãe, Janaína Benevides faria o máximo possível para casá-las com ambos.
    Reconhece esta história de algum lugar? Primeiras Impressões é a versão brasileira e contemporânea do clássico da literatura Orgulho e Preconceito. Uma ótima adaptação que com certeza deixou titia Austen batendo palmas lá do céu.
    A história no início é uma versão tão linda e calma quanto o clássico. Liz e Darcy se conhecem e a partir da primeira impressão que tem um do outro, estabelecem todo o conhecimento que poderiam vir a ter do outro como absoluto.

    “O que ele pensava? Que eles eram analfabetos idiotas?” (Liz sobre Mr. Darcy)

    Livros Jane Austen